Todas as ideias são..

Carta de Mark Twain a Helen Keller:

"Ó céus, como é indescritivelmente divertido e grotescamente idiota essa farsa do plágio! Como se houvesse muito de alguma coisa em qualquer declaração humana, oral ou escrita, excepto o plágio! O cerne, a alma, vamos adiante e digamos a substância, o núcleo, o próprio e valioso material de todas as declarações humanas, é o plágio. Pois substancialmente todas as ideias são em segunda-mão, consciente e inconscientemente extraídas de um milhão de fontes externas e usadas diariamente pelo usuário com um orgulho e satisfação nascidas da superstição que ele as originou, ao passo que não há um trapo de originalidade nelas excepto pequena descoloração que elas recebem do seu calibre moral e mental e seu temperamento e que são reveladas nas características da fraseologia. Quando um grande orador faz um grande discurso estás a escutar dez séculos e dez milhares de homens, mas chamamos-lhe o seu discurso e realmente certa porção excepcionalmente pequena dele é. Mas não o suficiente para significar. É meramente um Waterloo. É a batalha de Wellington, a certo grau e chamamos-lhe seu, mas há outros que contribuíram. Levam mil homens para inventar o telégrafo, ou uma máquina a vapor, ou o fonógrafo, ou um telefone ou qualquer outra coisa importante e o último homem recebe o crédito e esquecemos os outros. Ele adicionou a sua pequena contribuição, foi tudo o que fez. Estas lições objectivas devem ensinar-nos que noventa e nove partes de todas as coisas que avançam do intelecto são plágios, puros e simples e a lição deve ser nos tornar mais modestos. Mas nada consegue fazer isso."
FONTE: http://www.brainpickings.org/index.php/2012/05/10/mark-twain-helen-keller-plagiarism-originality/

0 comentários: